Bullying - definição de William Voors 

 

Com o objetivo de deixar clara a definição de bullying, apresento hoje a tradução de um trecho do livroBullying – Changing the Course of Your Child`s Life, de William Voors, 2000.  Este livro é dirigido aos pais,a fim de que possam comprrender melhor este comportamento.

“O bullying acontece sempre que uma ou mais pessoas têm o prazer de usar o poder para repetida e consistentemente prejudicar ou ferir uma ou mais pessoas.

Podemos desmembrar esta definição em três critérios:

1. Deve haver ações negativas repetidas e consistentes contra a criança.  As crianças naturalmente são resilientes e geralmente conseguem lidar com incidentes isolados e não relacionados de maldade.  Mas bullying significa que o abuso acontece regularmente e pelas mesmas razões, resultando na baixa autoestima da criança. 

2. Deve haver um desequilíbrio de poder entre a criança que pratica o bullying e seu alvo.  Aquele que pratica o bullying é mais forte física, verbal ou socialmente, deixando o alvo se sentir oprimido e incapaz de lidar com o abuso.  É importante saber que o desequilíbrio não precisa ser em tamanho.  Às vezes uma criança menor pode humilhar e rebaixar uma criança maior porque seu alvo não possui as habilidades verbais para responder com confiança.  Ter poucos ou menos amigos também pode levar a um desequilíbrio de poder social entre as duas crianças.

3. Deve haver sentimentos contrastantes entre a criança que pratica o bullying e seu alvo como resultado do episódio de bullying.  A criança que pratica o bullying pode se sentir excitada, poderosa ou achando graça depois do episódio de bullying enquanto que aquela que sofreu o bullying se sente amedrontada, embaraçada ou ferida.  As vítimas geralmente se sentem feridas e bravas quando o bully as ataca.  Se  tentam expressar sua mágoa ou raiva, a criança que pratica o bullying geralmente responde com indiferença ou zombaria, o que leva a mais humilhação ainda.”

Acho bastante interessante o terceiro critério, por deixar claro que a brincadeira deixa de ser brincadeira e passa a ser bullying quando alguém sai machucado.  Este contraste de sentimentos muitas vezes pode não ser tão evidente, portanto é preciso o olhar atento dos educadores.