Bullying - Kennet Shore

 

Mais uma definição de bullying, no livro The ABC`s of Bullying Prevention – Dude Publishing, New York.  2005

“O que entendemos por bullying

Bullying ocorre tipicamente quando uma criança mais forte ou mais poderosa intencional e repetidamente fere, ameaça ou tormente uma criança mais vulnerável.  Existem, portanto, três características no bullying: é deliberado/intencional, acontece mais de uma vez, e há um marcante desequilíbrio de poder entre o bully e a vítima.

Bullying é diferente de um único incidente de gozação.  Difere também da brincadeira.  É, na verdade, um abuso de poder.  É distinto dos conflitos normais da infância.  Não é bullying quando duas crianças de força e poder aproximadamente iguais estão brigando.  Portanto, enquanto todos os atos de bullying são agressivos nem todos atos agressivos são bullying.

Bullying pode ocorrer cara a cara ou por detrás.  Pode ser de curto prazo ou pode durar um longo tempo.  Pode ser praticado por uma pessoa ou por um grupo.  Enquanto a maioria dos bullies geralmente são do sexo masculino, estamos vendo um número cada vez maior de meninas praticando bullying com suas colegas.  O tipo de bullying praticado pelas meninas, no entanto, geralmente difere do dos meninos.  Os meninos em geral atacam seus pares verbal ou fisicamente, enquanto que as meninas praticam bullying indiretamente, usando métodos relacionais.  Por exemplo, podem excluir suas vítimas das atividades, convencer outros para rejeitá-las ou espalhar fofocas sobre elas…”

4) Tipos de bully (ou agressores)

De uma maneira geral e mais didática, podemos classificar os bullies em dois tipos: o bully ‘puro” e o bully-vítima.

O BULLY PURO

As características que parecem descrever e ao mesmo tempo motivar este tipo de bully são a popularidade e o respeito entre os colegas.  Geralmente são descritos como tendo uma grande necessidade de poder e controle.  O sentimento de poder é sua grande recompensa.  Este poder vem sempre às custas dos outros, pois têm pouca empatia ou compaixão por suas vítimas.  Contrariando o mito de que os bullies têm este comportamento porque não se sentem bem em relação a si mesmos, as pesquisas têm mostrado que eles tendem a ter fortes perfis psicológicos e gostam da popularidade social.  Esta popularidade lhes dá mais confiança e o poder de praticarem bullying sem encarar as consequências.

O BULLY-VÍTIMA

São aqueles que já sofreram bullying.  Sua motivação vem de sua experiência como vítimas.  São mais perigosos do que os bullies puros.  Eles não agem pelo desejo de simplesmente obter poder e respeito de seus colegas, mas são motivados pela raiva e vingança por já terem sofrido bullying.  Agir com esta mentalidade de vítima pode resultar em violência.  Alguns autores os descrevem como violentos e agressivos, impulsivos e sem limites.  Têm mais chance de se envolverem em brigas, portarem armas, abandonarem a escola, beberem e praticarem atos de vandalismo.  Podem também ser os bullies com baixa auto-estima.  Se de fato tiverem sido vítimas, a vitimização pode realmente ter destruído sua auto-estima.

Meninos e meninas que se envolvem em comportamento de bullying tendem a ter uma necessidade de se sentirem poderosos e no controle.  Eles parecem obter satisfação ao infringirem dor ou sofrimento em seus colegas, tanto física quanto emocionalmente. Também tendem a apresentar pouca simpatia ou empatia pelos outros e a se defenderem de suas ações dizendo que a vítima os provocou.