Cyberbullying

 

O que é cyberbullying?

“Cyberbullying (ou “online bullying”) é o termo usado para se referir a bullying e assédio através do uso de dispositivos eletrônicos por meio de email, mensagens de texto, blogs, celulares, pagers e web sites.  Pode incluir ameaças, observações de conotação sexual, rótulos pejorativos.  Os cyberbullies podem publicar informação pessoal de suas vítimas em sites.  Podem tentar assumir a identidade de uma vítima com o propósito de publicar material no seu nome.” (Wikipedia)

Embora os objetivos do cyberbullying sejam os mesmos do bullying tradicional – causar dano à vítima – ele assume diferentes características devido aos meios utilizados.

  Anonimato – Permite atacar alguém sem ser facilmente identificado, através de nomes na tela que protegem a verdadeira identidade.  Isto pode ser motivo de um sofrimento ainda maior para a vítima, por não saber de quem se trata.  O bully pode ser seu melhor amigo, seu irmão, alguém que não se conhece e não se tem como descobrir.  A falta de contato “cara a cara” pode também aumentar a crueldade porque pessoalmente ver o stress e sofrimento na vítima pode agir como um inibidor para o comportamento.  No mundo virtual, sem contato visual, o comportamento pode ser mais extremado, é como se você não fosse você mesmo e o outro fosse um ninguém.

  Platéia infinita e rapidez da divulgação – Imagine colocar uma foto maliciosa de alguém na Internet… rapidamente ela é divulgada para um número quase infinito de pessoas, o estrago é imenso. 

  Permanência da expressão – E-mails e material difamatório ou fotografias modificadas de uma pessoa colocadas na Internet são extremamente difíceis de remover uma vez postados, já que milhões de pessoas podem baixar essas imagens, salvá-las e reproduzi-las  imediatamente.  Estas formas de expressão podem ser encaminhadas para milhares de outras pessoas, numa “corrente” sem limites.

Um dos maiores problemas com o cyberbullying é a falta de sossego com o ataque.  Com o bullying tradicional na escola, a vítima tem a proteção de sua casa.  Mas o cyberbullying acontece pela internet ou pelo celular, a qualquer hora, pode-se ser vítima durante 24 horas, todos os dias da semana. 

Reportagem da revista Capricho, de 28 de abril de 2008

Em 2006, o estudante de Educação Física, Thiago Arruda, 19, foi alvo de uma comunidade no Orkut, criada apenas para inventar boatos sobre os moradores da cidade de Ponta Grossa, no Paraná. Chamado de “homossexual e pedófilo” e agredido nas ruas por pessoas que acreditavam nas acusações, Thiago suportou quase um ano de humilhação até que, em março do ano passado, ele escreveu na internet que caso as agressões não parassem, ele se mataria. A resposta que teve dos membros da comunidade foi um incentivo ao suicídio, em que até mesmo o “melhor método” foi ensinado.

No dia seguinte às mensagens, Thiago foi encontrado morto dentro do seu carro, estacionado na garagem de sua casa. Com uma mangueira no escapamento do automóvel, ele levou o fluxo de monóxido de carbono (gás que, quando inalado em grandes quantidades causa morte por asfixia) e morreu sufocado. Na época, a polícia do Paraná chegou a identificar alguns membros da comunidade, mas ninguém foi preso 

DICAS PARA OS PAIS

  Coloque o computador em lugares visíveis, como a sala;

  Converse sempre com seu filho sobre as atividades online em que está envolvido;

  Oriente os filhos para que nunca deem a sua senha a ninguém, nem mesmo ao melhor amigo;

  Oriente para que eles sempre contem se estão sendo ameaçados via internet ou celular;

 Não ameace que vai proibir o computador ou o uso do celular, porque como eles acham que não conseguem viver sem eles, isto pode levá-los a não contar o que está acontecendo;

  Explique que o cyberbullying é prejudicial e é um comportamento inaceitável.  Deixe claras suas expectativas em relação ao seu comportamento online e as conseqüências pelo comportamento inapropriado.

DICAS PARA OS EDUCADORES

  Eduque seus alunos, professores e funcionários sobre o cyberbullying, seus perigos e o que fazer diante deste tipo de bullying;

  Monitore de perto o uso dos computadores na escola;

  Investigue imediatamente relatos de cyberbullying.  Se acontecer dentro da escola, a escola é obrigada a agir.  Se acontecer fora da escola, considere que ações a escola poderia empreender para tratar a questão;

  Avisar os pais das vítimas ou dos bullies sobre o que aconteceu;

  Controlar de perto o comportamento dos estudantes afetados para ver se ainda está acontecendo;

  Conversar com todos os alunos sobre os danos provocados pelo cyberbullying;

  Ver se a vítima pode ter algum apoio do orientador da escola.