top of page
Buscar
  • Valeria

Desordens do espectro autista


Como já falei, as crianças e jovens dentro deste espectro correm um risco muito maior de sofrerem bullying. Crianças com DEAs têm quatro vezes mais chance de sofrerem bullying do que seus pares (Little, 2002). Portanto, é preciso conhecer essas desordens para entendermos melhor essas crianças e jovens e não permitirmos que sejam vítimas do bullying.

As três formas principais de DEA são autismo, síndrome de Asperger e PDD-NOS (transtorno invasivo do desenvolvimento não-especificado).

As desordens do espectro autista (DEAs) são consideradas como o resultado de uma desordem neurológica que afeta o funcionamento do cérebro. Aparecem quatro vezes mais em homens do que em mulheres e geralmente durante os três primeiros anos de vida.

Não existe até o momento um teste médico para diagnosticar as DEAs. O diagnóstico se baseia em características observáveis, ou seja, no comportamento que a pessoa apresenta. Devido à natureza dos sintomas, é difícil o diagnóstico numa idade muito precoce. Em vários casos, um bebê vai se desenvolvendo normalmente e depois começa a regredir por volta dos dezoito meses, tornando mais fácil o diagnóstico por haver uma mudança brusca de comportamento.

Existem basicamente três áreas de sintomas observáveis nas DEAs: danos nas relações sociais, na comunicação social e no pensamento imaginativo. Alguns sintomas podem ser médios, outros mais óbvios. O número e a severidade desses sintomas é que levam os pais e professores se preocuparem com o comportamento da criança e buscarem um diagnóstico.

Lorna Wing, uma psiquiatra especialista neste espectro, descreve essas três áreas de danos.

Danos nas relações sociais: O indivíduo pode não usar ou compreender comportamento não verbal ou não desenvolver relações com seus pares apropriadas ao seu nível de desenvolvimento, ou pode parecer arredio e indiferente às outras pessoas.

Danos na comunicação social: Pode haver ausência total ou um atraso no desenvolvimento da fala (sem tentativas de comunicação por gestos). Não inicia nem sustenta uma conversa, ou usa a linguagem de forma estereotipada e repetitiva.

Danos no pensamento imaginativo: Pode apresentar uma preocupação intensa, abrangente com um interesse ou assunto; ou ter rituais e rotinas inflexíveis e não funcionais. Maneirismos motores repetitivos como bater as mãos ou rodar objetos podem ser observados. Geralmente há uma ausência do “faz de conta” ou brincadeiras de imitação.

SINAIS DE ALERTA PARA O ESPECTRO AUTISTA

SOCIALIZAÇÃO

Não sorri socialmente.

Prefere brincar sozinho.

Ele mesmo pega o que deseja.

É muito independente.

Faz determinadas coisas precocemente.

Faz pouco contato com o olhar.

Vive em seu próprio mundo.

Ele nos ignora.

Não tem interesse em outras crianças

COMUNICAÇÃO

Não responde ao próprio nome.

Não consegue dizer o que quer.

Atraso na linguagem.

Não responde ao próprio nome.

Não consegue dizer o que quer.

Atraso na linguagem.

Não aponta, nem dá tchau

Falava poucas palavras e agora não fala mais

COMPORTAMENTO

Crises de raiva.

Hiperativo, opositivo e não coopera.

Não sabe como brincar com brinquedos.

Anda na ponta dos pés.

Tem o hábito de se interessar demasiadamente por determinados objetos.

Gosta de enfileirar objetos.

É muito sensível a determinadas texturas ou sons.

Fonte: http://www.lncc.br/~alm/neupsico12/adailton.pdf


16 visualizações0 comentário
bottom of page